segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Roteiro - CQC 111

Desenho by: Lina Silva (em breve, o desenho em versão Wallpaper)

mais uma segunda e mais um CQC, edição Nº 111, 3 1's, um atrás do outro. hehehee :-P

dessa vez, muito especial: hj é o 1º CQC após a lei eleitoral q impede os programas de humor a fazer sátiras aos candidatos ser revogada :D (vejam nos 2 post's anteriores, postados pela Lina e o próprio desenho q a Lina ilustra o roteiro do CQC d hj)

Roteiro by: Blog do Tas

Band, 22h15
Para ir ao estúdio: registre-se no site oficial CQC

Entre outras:
VICE-PRESIDENCIÁVEIS
PRÊMIO MULTISHOW
SEM CENSURA: TUDO O QUE NÃO FIZEMOS ANTES COM CANDIDATOS
FILME: BELINI E O DEMÔNIO
CLINICA DE OLHOS
PROTESTE JÁ: APOSTILAS QUE DESEDUCAM
FESTINHA DA ATHINA ONASSIS
CQ TESTE: LUISA POSSI
DOCUMENTO DA SEMANA: REDES SOCIAIS
O POVO QUER SABER: RITA CADILLAC
TOP 5

PS: Este roteiro é apenas um guia. Pode sofrer alterações, amputações e inversões até a hora e, principalmente, durante a transmissão do programa, que é ao vivo!

"CQC" vai reeditar cobertura das eleições

A queda do artigo 45 da lei eleitoral, que proibia as piadas com políticos durante a cobertura das eleições, levou o CQC a rever sua cobertura. Assim, o programa desta segunda-feira (30) levará ao ar as imagens restritas até então. As informações são da coluna Outro Canal, da Folha de S.Paulo.

"O Brasil não merece entrar no século 21 com palhaços sendo tratados com seriedade e truculência e políticos fazendo piada no horário eleitoral", disse o apresentador do CQC, Marcelo Tas, à coluna.

O programa da Band voltará a utilizar recursos de arte e pós-produção sobre as imagens dos candidatos - como o nariz de palhaço sobre o rosto do entrevistado.

A decisão foi dada,na última quinta-feira (26), pelo ministro Carlos Ayres Britto após a ação juizada pela Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV). Agora, a norma que proibia as emissoras de “usar trucagem, montagem ou outro recurso de áudio ou vídeo que, de qualquer forma, degradem ou ridicularizem candidato, partido ou coligação” está suspensa.

"A sensatez do ministro Ayres [Brito, que concedeu a liminar] me emocionou talvez por ser o bom senso algo raro como os meus cabelos na história do Brasil", completou Tas.

Fonte: Site AdNews

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Ministro do STF suspende regra que proíbe piadas com políticos


O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Carlos Ayres Britto suspendeu na noite desta quinta-feira a legislação que proíbe programas de humor de fazerem piadas com os candidatos que disputarão as eleições de outubro.
Sem ainda julgar o mérito do caso, que só pode ser analisado pelo plenário do Supremo, Ayres Britto afirmou que o impedimento fere o princípio constitucional da liberdade de expressão e cria impedimentos "a priori" aos programas, algo que já foi debatido e vetado pelo próprio tribunal.
Em julgamento que derrubou a Lei de Imprensa em maio do ano passado --que teve o mesmo Ayres Britto como relator-- o STF afirmou que a liberdade de informar deve ser irrestrita, cabendo ao Judiciário punir eventuais abusos somente depois de terem ocorrido.
O ministro Carlos Ayres Britto deverá levar sua liminar para o plenário, provavelmente na semana que vem, para ser chancelada ou derrubada pelos colegas. Até lá, os programas estão livres para fazerem piadas com políticos e partidos políticos.
A pedido da Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão), o ministro suspendeu parte do artigo 45 da Lei das Eleições (9.504 de 1997) que veda, a partir de 1º de julho de ano eleitoral, "trucagem, montagem ou outro recurso de áudio ou vídeo que, de qualquer forma, degradem ou ridicularizem candidato, partido ou coligação".
A Abert pede que o Supremo declare que essa parte da legislação é inconstitucional. O julgamento final ainda não tem data para acontecer.
A proibição das sátiras foi alvo de críticas de humoristas. No domingo passado, cerca de 500 pessoas participaram de passeata no Rio para pedir liberdade para criticar os políticos.

Fonte: Folha Online e CQC Blog

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

NOTÍCIA - Marco Luque vai ser papai


Em primeira-mão: Marco Luque vai ser pai. O humorista e apresentador dos programas “CQC” e “Formigueiro”, da Band, está esperando seu primeiro filho com a namorada, Flávia Vitorino. “Não vamos negar a gravidez, mas não estamos falando sobre esse assunto”, disse ao portal iG a irmã e empresária de Luque, Daniela. “Ela é uma pessoa adorável, muito bem vinda à família e muito bonita pessoalmente. Muita gente acha que ela é modelo, mas na verdade a Flávia é formada em Turismo e não é do meio”, completou.

Segundo amigos próximos do apresentador, Flávia está no primeiro trimestre de gestação. A confirmação da noticia também veio depois que o casal passou alguns dias em um SPA de São Paulo, onde, receosos, comentaram a "condição" de Flávia antes de fazer uma massagem.

Flavia é de Araraquara, já mora em São Paulo há algum tempo, mas, segundo Daniela Luque, ela e o irmão vivem em casas separadas. "Eles estão juntos há cinco meses, o namoro é sério. Se conheceram em Rio Claro, quando ele foi fazer um show lá."

Fontes: IG e Portal Vooz

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Chegou a hora doooooooos...

... PREVIEWS DO EPISÓDIO Nº10

Humor sem Censura - versão wallpaper

Para quem gostou da pequena ilustração postada aqui (e no CQC Blog) para o roteiro do 110º CQC, aqui vai a versão grande em wallpaper para quem quiser enfeitar o seu desktop.

Divirtam-se:

Roteiro - CQC 110

Desenho by: Lina Silva (em breve, o desenho em versão Wallpaper)

mais uma segunda bem "capixaba" p mais um CQC. e como sabem, ontem na net não teve outro assunto a não ser a passeata dos humoristas no Rio de Janeiro, o "Humor Sem Censura", q são contra a lei eleitoral q impede os programas de humor como CQC, Pânico, Casseta & Planeta, Zorra Total e adjacentes a fazerem sátiras aos candidatos. esse é o motivo do desenho q a Lina desenhou para mostrarmos o roteiro do programa d hj (mais informações aqui. post da notícia by CQC In Love)

Roteiro by Blog do Tas

Band, 22h15
Para ir ao estúdio: registre-se no site oficial CQC

Entre outras:
O VINHO DO GALVÃO BUENO
ATRÁS DOS PRESIDENCIÁVEIS
JOGADORES DA SELEÇÃO
HUMOR SEM CENSURA
FINAL DA LIBERTADORES
DOCUMENTO CQC: REDES SOCIAIS
LEILÃO NA DASLU
CQ TESTE: TESSALIA
TOP 5
O POVO QUER SABER: "REBOLATION" (Pitaco by Kildare Sena: não há dúvidas d q é o Léo Santana, do Parangolé, q canta essa música q vc vê ao lado)

PS: Este roteiro é apenas um guia. Pode sofrer alterações, amputações e inversões até a hora e, principalmente, durante a transmissão do programa, que é ao vivo!

domingo, 22 de agosto de 2010

PARABÉNS オスカー・フィリョ - OSCAR FILHO

dia 22 de Agosto do ano de 1978, na cidade de Atibaia, interior de SP, nasceu um menino q todos nós conhecemos pelo seu humor, pelo seu lado moleque e outras coisas. nome? Oscar Francisco de Moraes Júnior. segundo o site Significado Nomes, o nome "Oscar" vem do antigo nórdico, q quer dizer "Lança dos Deuses" (tudo bem q o Pequeno Pônei é um pouquinho baixinho, mas "Lança dos Deuses"? não sei, não)

aos 13 anos, esse menino, já na adolescência, começou no teatro amador, na sua terra natal. ele produzia e atuava em peças até chegar a oportunidade dele ir p capital de São Paulo, onde se entregou a Oficina dos Menestréis, do Deto Montenegro.
em 1996, quando o tampinha tinha 18 anos, venceu o 12º concurso de Contos e Poesias de Atibaia, com o conto "O Baú", representando a sua cidade natal no Mapa Cultural Paulista.

em 2000, volta p São Paulo, dessa vez p morar, e em 2003, é formado pelo INDAC (INstituto De Artes e Ciências). um ano depois, foi indicado como melhor ator no Prêmio Coca-cola FEMSA de Teatro com a peça "A Matéria dos Sonhos de Fábio Torres"

foi em 2005 q a vida desse baixinho mudou: entraria para o mundo do humor, sobretudo em Comédia Stand-up. ajudou a formar o "Clube da Comédia Stand-up", junto com Marcela Leal, Marcelo Mansfield e os seus colegas do CQC Danilo Gentili e Rafinha Bastos. além disso, participou de várias peças de humor, participações em shows humorísticos como Terça Insana e Nunca Se Sábado
vejam um dos 1ºs Stand-up's do Oscar Filho:


mas quem gosta do Oscar improvisando, veja um dos vídeos da aparição dele no espetáculo "Improvável" dos Barbixas


sua estréia na TV foi p divulgar os seus Stand-up's. um deles, foi aonde? no programa da Hebe, no SBT. quem não lembra da explicação dele da diminuição da palavra "você" e da imitação de gato quando tá no cio, hein?


em 2008, aconteceram 2 coisas no currículo da carreira do aniversariante d hj: a estréia dele como repórter e integrante do CQC, e a estréia do espetáculo solo de Stand-up, Putz Grill. veja um vídeo dele fazendo Stand-up do espetáculo

amo a parte q ele fala dos nadadores (by Kildare Sena)

isso é tudo q posso homenagear o aniversariante d hj, o Oscar Francisco de Moraes Junior, ou simplesmente Oscar Filho ("Lança dos Deuses"? :-P). parabéns p vc, tampinha, e q Deus abençoe esse moleque, ator, repórter, comediante e... e... (me ajudem a completar, por favor? :-P) qualquer coisa q vc é. afinal, 32 anos não são 32 dias (q clichê, não? :-P)
é o q eu, Kildare Sena, digo em nome de todos os seus fãs, dos fãs do CQC e claro, desse projeto q está visitando, a Megaliga CQC.

e como sempre, encerro postando a montagem q eu fiz, mostrando o Oscar real, a versão CQC anime e a versão Megaliga CQC, os 2 últimos desenhados pela Lina Silva. e como extra, um vídeo da websérie "Tarja Preta" q o Oscar aparece e q eu, Kildare Sena, gosto de ver, além de ser engraçado. vejam aí!!!

até o próximo post meu ou da Lina Silva e...
PARABÉNS オスカー・フィリョ - OSCAR FILHO

Curiosidade: Oscar Filho é do signo de Leão no Horóscopo do Zodíaco e de Cavalo no Horóscopo Chinês

Montagem by Kildare Sena (versões anime e Megaliga CQC By Lina Silva)

sábado, 21 de agosto de 2010

Não esquecemos de vcs, novos escritores.

Não gostariam que pensassem isso, mesmo Kildare e eu tendo avisado vcs de que todas as histórias q vcs nos mandam são recebidas, lidas e avaliadas. A questão é que para esse anos nós já temos um enredo de histórias a seguir e, apesar de muitos imprevistos, ele continua sendo seguido.
Não vamos mentir pra nenhum de vcs, tem histórias q infelizmente não serão animadas, pq apesar de não estarem violando as regras do regulamento, o problema em questão é q saem muito do ''universo'' CQC - principalmente do comportamento d certos integrantes.

Kildare e eu conversamos ontem sobre as histórias q foram aprovadas para virarem episódios da série.
Eu tive uma idéia para identificar os episódios feito por vcs, fãs, para já ficarem na expectativa.

Portanto, estou escrevendo essa postagem para avisar vcs q, cada vez q os episódios começarem com alguma dessas duas aberturas, é pq se trata de uma história escrita por fã:

video
Abertura da Megaliga ao som de Burst Limit, do anime DBZ - enviada por Alessandra Bittencourt.

video
Abertura ao som de Super Driver, do anime A Melancolia de Haruhi Suzumiya.

Então ainda fica o incentivo pra continuarem mandando suas histórias p/ serem avaliadas, okay?
Até lá. o/

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Danilo Gentili e Rafinha Bastos abrem casa de stand up no modelo americano

Comedians, em SP, será o primeiro clube totalmente dedicado ao formato: “Começamos a lotar bares devido à internet”, diz Rafinha
Os primeiros shows, quem diria, foram em festas infantis, pizzarias com pouquíssima gente e comemorações corporativas, dessas onde o público nunca está muito atento àquele que segura o microfone. Hoje, eles viraram referência no humor. Rafinha Bastos e Danilo Gentili lotam teatros e colecionam admiradores. Além dos shows de stand up comedy, os dois fazem parte da equipe do CQC, da Rede Bandeirantes.

Com o sócio Ítalo Gusso, velho amigo que acabou virando produtor e assessor de imprensa da dupla, Rafinha e Danilo estão prestes a inaugurar em São Paulo uma casa construída especialmente para shows de stand up. O Comedians terá capacidade para mais de 300 pessoas e foi inspirado em casas americanas como a Gotham, de Nova York, que já foi palco do humorista Jerry Seinfield, um dos ícones do stand up.
 
  Homens trabalhando: "Estamos construindo tudo do zero", diz Rafinha

As apresentações desse tipo começaram a vingar no Brasil depois do sucesso do Clube da Comédia, inaugurado em 2005. A fórmula é simples: humoristas sem nenhum tipo de caracterização e munidos apenas de um microfone falam sobre situações corriqueiras, como a fila do banco e o futebol. A identificação do público é quase imediata.

Para Danilo Gentili, foi uma união de fatores que fez com que o formato se difundisse rapidamente no país. “A mídia comprou a ideia, os donos de bares perceberam que as apresentações davam dinheiro, mas o sucesso veio principalmente por causa da internet”.

A vontade de abrir um estabelecimento dedicado especialmente ao stand up era antiga, mas foi só depois de uma viagem de férias aos EUA que Danilo e Rafinha, inspirados pelos “comedy clubs” que visitaram, resolveram colocar a ideia em prática.

Em uma conversa em meio às obras do Comedians, Danilo, Rafinha e Ítalo falam sobre o sucesso do stand up, a relação com o público e contam como têm sido as preparações para a abertura da casa, programada para a última semana de setembro:

iG: Vocês se conhecem há tempos, muito antes do CQC, certo?Danilo: A gente se conheceu num site de relacionamentos… Eu procurava companhia e marquei um encontro com o Rafinha.
Rafinha: É, isso, foi assim sim. Na verdade, existia Clube da Comédia, do qual eu fazia parte. O Danilo entrou para o Clube logo no começo e a gente se conheceu lá… Fazíamos shows também em bares como o Beverly Hills, muito antes do CQC. 

Para Gentili, stand up fala do dia a dia: "É uma verdade exagerada"
iG: Vocês se lembram dos primeiros shows?
Danilo: No começo a gente penava um pouco para arrumar bar para se apresentar. Ninguém queria! A gente já fez show em pizzaria e ninguém ria, em casa de velhos swingueiros… Era um sacrifício convencer um bar a deixar a gente fazer shows…
Rafinha: E eu fazia shows em noivados, casamentos de judeus ricos, festas infantis… Fazia onde dava, para praticar. Fiz apresentações nos lugares mais inóspitos e impróprios que você possa imaginar. E isso há apenas um ano e meio! O difícil é que, em eventos assim, as pessoas não estão muito dispostas a te ouvir. Ou quando o lugar não foi preparado, sem microfone adequado, por exemplo. Nesses casos, você tem grandes chances de se dar muito mal e ficar lá que nem um idiota, por melhor que sejam suas piadas.

iG: Hoje, pelo contrário, vocês lotam teatros e bares. O que quebrou essas barreiras iniciais?
Rafinha: Foi o Clube da Comédia, porque foi o primeiro show que lotou. Começamos a fazer duas sessões por noite e os donos de bares abriram os olhos, perceberam que essa era uma oferta de entretenimento diferenciada.
Ítalo: Aí a imprensa comprou a ideia também. Saíram muitas matérias legais sobre o assunto em vários canais da mídia.
Danilo: Foi um conjunto de coisas: a imprensa, os donos de bares que perceberam que as apresentações davam dinheiro… Mas o sucesso veio principalmente por causa da internet. Foi bem na época do surgimento do YouTube.
Rafinha: É, a gente começou a lotar bares quase que unicamente pela divulgação via internet. Aí as casas começaram a abrir as pernas porque viram que era uma coisa que dava dinheiro. Só que os bares nunca eram próprios para isso.


iG: O CQC também ajudou?
Ítalo: O CQC ajudou porque tem essa exposição dos meninos, que é enorme, mas o Rafinha e o Danilo já estavam aí antes do CQC, os nomes deles eram fortes nesse meio. A gente já fechava shows para 900, mil pessoas. Eles já tinham essa marca de serem os precursores do stand up no Brasil, assim como o Marcelo Mansfield, a Marcela Leal, o Oscar Filho, o Diogo Portugal... Rafinha: O que mais ajudou foi mesmo a internet. O CQC veio em um segundo momento.

iG: Como surgiu a ideia de se construir uma casa dedicada ao stand up?
Ítalo: Eles foram de férias para os EUA e visitaram algumas casas de stand up. Viram que a ideia poderia dar muito certo no Brasil e aí me convidaram para entrar no projeto como sócio. A gente não pode intitular como primeira casa que faz stand up porque existem bares aqui que já fazem isso… Mas é a primeira com um formato totalmente americano.

iG: E como será o funcionamento da casa?
Ítalo: Vamos abrir inicialmente de quinta a domingo, mas estamos estudando isso ainda… Vamos ter um cardápio diferenciado. As pessoas, quando vão ao teatro, geralmente saem para jantar depois. Queremos que elas jantem aqui e passem uma noite agradável.
Danilo: Esse ponto era um dos que a gente queria. As pessoas se divertem bastante lá fora, Rua Augusta, né?

iG: E os shows? Será um show por noite?
Danilo: Vamos ter sessões especificas, será o “show da noite”. Não é porque eu e o Rafinha estamos construindo que os shows serão sempre nossos.
Rafinha: Pois é, nessa questão artística temos toda essa galera do stand up junto com a gente. Queremos que exista uma rotatividade de comediantes, mas sempre seguindo esse tipo de comédia em que a gente acredita. Estamos construindo tudo do zero. A gente está até imaginando qual seria a melhor logística de garçons para que as pessoas fiquem o mais confortável possível na hora de ver o show… Sabe quando a gente vai num bar e tem uma coluna? E aí a plateia tem que ficar desviando? Aqui de qualquer canto você vê o comediante e de qualquer canto o comediante vê a plateia.

iG: O Danilo disse uma vez que quanto mais verdade houver em uma piada, mais engraçada ela é. Os shows de stand up são mesmo reproduções do que acontece com vocês?
Danilo: Sim, as coisas que eu conto sempre acontecem comigo. Claro que é uma verdade exagerada e às vezes distorcida, mas o ponto de partida é sempre a verdade.
Rafinha: A história muitas vezes pode não ser totalmente real, mas é uma caricatura de alguma coisa ou algo de sua personalidade. Sempre tem a ver com a personalidade do humorista porque senão, o público não compra, não ri. Por exemplo, agora eu tenho um texto onde falo sobre a mulher grávida. As pessoas compram isso, sabem que é verdade, que eu estou casado há muito tempo… Mas, claro, também tenho um texto antigo em que digo que transava com uma mulher que tem tatuado “Frank Aguiar” nas costas. Isso não existe! Mas você vai sentir mais facilidade em escrever sobre aquilo que você está vivendo.
iG: O que faz um bom texto de stand up?Danilo: O frescor e a atualidade do assunto e a forma com que a gente se expressa faz com que sempre estejamos próximos do público, mesmo que quem esteja assistindo não concorde com você. Se o humorista se renovar, ele estará sempre falando de algo com que a plateia se identifique.
Rafinha: Você fala e as pessoas se veem ali. É um tipo de comédia nova ainda, muito dinâmica, rápida. Em um minuto a gente tem que fazer quatro ou cinco piadas novas e originais. Isso é tempo de internet, as pessoas não têm mais tempo para perder, pra ficar três minutos para ouvir uma piada… Mas ainda estão descobrindo esse tipo de humor e é por isso que a gente achou que era a hora ideal para construir um estabelecimento só para isso.

iG: Por causa dessa identificação, algumas pessoas participam e fazem comentários durante a apresentação. Isso desconcentra?
Danilo: É um pouco chato quando o público grita muito, porque geralmente as meninas que mais gritam não são as gostosas… Outro dia tinha um casal na plateia com um apito. No meio do show eu parei e perguntei quem é que estava apitando. Ficou um climão. No final contornei a situação colocando o casal do apito no meio das piadas. Sempre que tinha que reclamar de alguma coisa, falava do casal. Aí terminou em aplauso.
Rafinha: O palco do Comedians será muito pequeno e baixo, ao contrário dos teatros. Então o público eventualmente vai participar das piadas. Essa é a essência da linguagem do stand up, o humorista tem que estar preparado se o público responder qualquer coisa. Não é um problema. O stand up não é feito para isso, mas inevitavelmente as pessoas participam, o próprio comediante às vezes pede isso. É claro que quem manda mesmo é o humorista que está com o microfone. A pessoa que leva um apito, como o Danilo contou, não tem nada na cabeça…
Danilo: O nome é show, não é diálogo… Quem for engraçadinho e ficar interrompendo, a gente pode interagir, a linguagem até permite. Mas é bom o cara saber que somos comediantes e temos um microfone na mão. Não tem como o cara ganhar, ele não vai ganhar nunca! A não ser que ele esteja com um revólver.

Serviço:
Comedians
Onde: Rua Augusta, 1129
Quando: setembro (previsão)
Quanto: Não divulgado


Fonte: site IG e Youtube

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Resultado final - Enquete de "Amigos Serão Amigos"

sim, sim, sim, salabim! vamos p mais um resultado final de mais uma enquete. como vcs sabem, é da enquete de avaliação do 9º episódio, "Amigos Serão Amigos". esse episódio tocou com todo mundo, devido a amizade entre os personagens Kild e Oscar Filho (quem sabe, isso não aconteceu contigo tb, hein?). além, claro, da estréia de mais um vilão do nosso projeto, o Grammy Junior, q já foi amigo e parceiro do Oscar

vamos lá mostrar o resultado final, q teve no total de 27 votos:

  • de 0 a 2 (péssimo) - 8 votos (29%)
  • de 3 a 4 (ruim) - nenhum voto (0%)
  • de 5 a 7 (regular) - nenhum voto (0%)
  • de 8 a 9 (bom) - 2 votos (7%)
  • nota 10 (ótimo) - 17 votos (62%)

bom, claro q quero agradecer aos fãs do CQC e da Megaliga CQC, q além de gostarem, emocionaram bastante com o episódio. mesmo q o "péssimo" quer superar o "ótimo", não vão conseguir, pq os fãs do CQC e da Megaliga CQC são a maioria!!!! :D

ah, e ainda tocando no mesmo assunto, uma pessoa falou no blog q a gente não recebe críticas. pois p seu governo, recebemos críticas sim. mas FAZER UMA CRÍTICA NÃO É A MESMA COISA QUE FAZER UMA OFENSA. existem críticas construtivas e destrutivas, e a q mandou p nós não é nem construtiva e nem destrutiva, e sim uma OFENSA e das grandes. uma crítica verdadeira é essa aqui (link da montagem do twitter @barbixasfotos comparando os Barbixas atuais com o desenho no episódio "O Sequestro dos Barbixas", e falam no fim q é uma crítica construtiva). por isso, repetindo e em letras grandes: FAZER UMA CRÍTICA NÃO É A MESMA COISA QUE FAZER UMA OFENSA!!!

e não esqueçam de mandar suas sugestões, críticas, elogios, idéias para Wallpapers ou histórias p Lina avaliar e quem sabe, virar um episódio (aceito as histórias escritas pelo Word), e tb mandando a sua versão do logo da Megaliga CQC ou mande uma foto sua fantasiado de qualquer personagem do nosso projeto (não importa se é profissional ou amador e nem com Buddypoke) para megaligacqc@gmail.com.
mas se forem mandar a sua história p virar episódio, não esqueçam de 2 coisas: 1-paciência, pq a Lina vai avaliar a história q vcs escreveram / 2-seguir as regras de como deve ser a história, q tem o link no lado direito do nosso blog ou clicando aqui
e falando em histórias escritas por fãs, em breve, as 1ªs histórias escritas por fãs ou do CQC ou do nosso projeto. as pessoas q receberam respostas minhas ou da Lina Silva por e-mail, aguardem ele virar episódios, pq com certeza, irão amar

e p encerrar como extra, o vídeo da banda Queen cantando a música q originou o título do 9º episódio da Megaliga CQC, "Friends Will Be Friends". até o próximo post ou meu ou da Lina Silva. TCHAU!!!


OBSERVAÇÃO: ansiosos pelo 10º episódio q virá esse mês? vejam o teaser dele, q mostra a Sylove e a Branca se preparando p ir prum show de Stand-up. mas de quem, hein? e esperem tb os previews desse mesmo episódio q a Lina irá postar em breve

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Roteiro - CQC 109

Desenho By: Lina Silva

mais uma segunda, mais um CQC. hj, edição número 109 (p quem não entendeu ainda o pq do desenho da Lina, vejam aqui e aqui as notas no blog "Las Cortezas")

Roteiro by Blog do Tas

Band, 22h15
Para ir ao estúdio: registre-se no site oficial CQC

Entre outras:
ATRÁS DOS PRESIDENCIÁVEIS
CQ TESTE: LULU SANTOS
CASAMENTO DE DUPLA CAIPIRA
DEBATE DE GOVERNADORES
PREMIO DA MUSICA BRASILEIRA
PROTESTE JÁ: MURO A CAMINHO DA PRAIA
35 ANOS DA REVISTA PLAYBOY
DOCUMENTO CQC: REGRESSÃO A OUTRAS VIDAS
POVO QUER SABER: NANDO REIS
TOP 5
GISELE BÜNDCHEN

PS: Este roteiro é apenas um guia. Pode sofrer alterações, amputações e inversões até a hora e, principalmente, durante a transmissão do programa, que é ao vivo!

PS by Kildare Sena: hj é o último dia p votarem na enquete do 9º episódio da Megaliga CQC, "Amigos Serão Amigos". p quem viu, podem votar rapidinho, q a enquete vai terminar às 22:15 d hj. p quem não viu ainda e quer votar, vejam o post oficial do episódio ou o post falando da enquete

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Felipe Andreoli: "Acham que eu pego todo mundo"

Repórter do CQC respondeu às perguntas dos leitores e contou que por trás das câmeras é um cara tímido.

Esqueça a imagem de “pegador” adquirida pelo repórter Felipe Andreoli, 30 anos, após serem exibidas no humorístico CQC, da Band, matérias em que ele aparecia beijando algumas fãs. “Eu não sou assim”, diz o jornalista. Andreoli recebeu a repórter Lia Lehr em sua casa, no bairro de Perdizes, Zona Oeste de São Paulo, para responder às perguntas dos leitores enviadas ao site de QUEM. Entre os assuntos, o desejo de apresentar um programa de entrevistas e o receio de começar um relacionamento.


1- Qual é seu maior sonho como jornalista?
Ludimila Rosa, Carapicuíba (SP)
Primeiro era cobrir uma Olimpíada e uma Copa do Mundo – e eu já fiz uma Olimpíada na China e uma Copa na África do Sul, que foram duas coisas sensacionais. Acho que os sonhos vão se renovando. Agora uma próxima etapa é ter o meu programa.

2- Marco Luque e Rafinha Bastos ganharam os próprios programas na Band. Já recebeu algum convite para apresentar o seu?
Letícia Gonzaga, Santos (SP)
Sempre tive a ambição de apresentar um programa e fazer uma atração como entrevistador. Fazer um talk show, ou algo nesse gênero. Projetos e propostas? Vou responder igual a jogador de futebol: eu não posso falar nada sobre isso e no futuro, se Deus quiser, a gente vai buscar uma oportunidade (risos).

3- No ano passado, você apanhou de torcedores do Internacional de Porto Alegre. O que houve?
João Pedro Gomes, São Paulo (SP)
O jogo era Corinthians e Inter. Descemos a uma distância do estádio e fomos caminhando até a área de imprensa. No meio do caminho, alguns torcedores covardes do Inter começaram a nos puxar, brigar e a empurrar. Graças a Deus, não aconteceu nada, porque um segurança do clube tirou a gente de lá. Sem dúvida, estádio é o lugar com mais adrenalina para se cobrir um evento.

4- Você se considera engraçado no dia a dia?
Camila Mendes, São Paulo (SP)
Eu me considero bem-humorado. E sou muito reclamão também. Sou um cara que fica indignado quando vê um sujeito que não dá seta no trânsito ou que joga lixo na rua. Quando estou de mau humor, haja paciência, porque sou chato pra cacete. O apelido Chilipe Andreoli faz jus.

5- Já cometeu alguma gafe ou pagou algum mico fazendo matéria para o CQC? Qual foi?
Thayse Cristine Tarossi, por e-mail
Uma vez fui falar com o Roberto Requião, governador do Paraná, e o confundi com Jaime Lerner, arquirrival dele. Ele ficou bravo, achou que era uma piada, mas não era. Eu tinha confundido mesmo.

6- Como é trabalhar em um programa de sucesso?
Rodrigo Teixeira, Brasília (DF)
Trabalhar num programa como o CQC é viver tudo com muita intensidade. O cara que gosta de você gosta muito, e o cara que não gosta, também, te odeia muito. Dificilmente a gente é recebido em qualquer lugar com indiferença.


7- Como é o assédio dos fãs e qual o lado negativo da fama?
Beatriz de Luca, Criciúma (SC)
Eu gosto, mas na medida certa. Por exemplo, quando vou a um show de uma banda que gosto muito, não quero dar autógrafo. Eu quero prestar atenção no show, quero cantar como todos os outros fãs que estão ali. Mas muitas vezes as pessoas não entendem isso. O CQC entrevista as pessoas sem pedir. Então, os fãs acham que podem fazer a mesma coisa com a gente. E, por incrível que pareça, sou um cara tímido e acabo me retraindo.

8- Quando se interessa por uma mulher, utiliza o bom humor para se aproximar? Você namora?
Bárbara Rocha, Rio de Janeiro (RJ)
Se você chegar em uma mulher de mau humor, vai ser difícil conquistá-la. Eu não namoro. Para falar a verdade, eu sinto que hoje é mais difícil, porque, às vezes, estou em um lugar e nunca sei quando a menina olha para mim ou para o cara da TV. As pessoas veem matérias que eu fiz e acham que eu pego todo mundo. Não sou assim, pelo contrário, não sou de quantidade, sou de qualidade. Acho que, para conquistar uma mulher bacana, seja para uma noite, seja para uma vida, tem que fazer bem-feito. E o bem-feito parte do começo.

9- Você fala vários idiomas. Fez cursos ou aprendeu sozinho?
Kadu Chaves, Maricá (RJ)
Estudei inglês dos 9 aos 16 anos. Depois fui autoditada para manter isso. Para treinar espanhol, vejo filme em inglês e coloco a legenda em espanhol. O italiano aprendi no colégio. Mas é uma coisa mais básica, falo tudo no infinitivo. Como a maioria das pessoas não fala italiano, quando me veem falando na TV, acham que sou fluente (risos).

10- O que você acha da censura feita aos humoristas, que não podem satirizar políticos nos programas de humor até a data da eleição?
Solange Soares de Campos, São Paulo (SP)
Acho um absurdo, mas, ao mesmo tempo, nessa época em que tudo dá pano para manga para decidir uma eleição, fica difícil não medir e dividir isso (sobre ter que dar o mesmo espaço para todos os candidatos). Para o nosso trabalho é péssimo.


11- Você já teve algum chefe que não acreditava no seu talento e dizia que você jamais faria sucesso?
Patrícia Xavier, São Paulo, (SP)
Muito pelo contrário, eu sempre tive chefes que acreditavam muito em mim. No meu primeiro emprego, eu trabalhei na Record, no núcleo da igreja universal. Eu fazia de tudo lá, eu comandava o apresentador, editava as matérias, legendava clipes. Depois me deram um quadro no programa "Em Busca do Amor". Eu tinha 19 anos. Hoje eu até brinco no meu show de stand-up e digo que era uma espécie de "Fica Comigo" gospel. Para mim foi uma baita experiência, foi muito legal. Depois trabalhei com o meu pai (o jornalista Luiz Andreoli) em um programa esportivo e ele me deixou fazer reportagens. E depois entrei na TV Cultura como estagiário e fui vídeo repórter. Pouca gente sabe, mas também apresentei um jornal na emissora.

12- Você já conseguiu entrevistar alguém de quem é muito fã? Qual foi a sensação?
Tâmara Rute Santos, Salvador, (BA)
Eu jogo tênis desde criança e sou muito fã do Guga. O Guga foi um cara fora da curva, não é que nem piloto de Fórmula I que o Brasil teve vários bons. No ano passado houve o lançamento de um revista de tênis e eu soube que o Guga ia. Coloquei munhequeiras e uma faixa na cabeça para ficar parecido com ele e fui ao evento. Quando ele entrou, eu fiquei tão feliz, que nem lembro o que perguntei para ele. Só percebi depois, quando assisti a matéria e vi que estava todo abobado. Parecia criança que tinha visto o Mickey (risos). Outro cara que eu gosto bastante e quero entrevistar é o Jorge Ben.

13- Onde busca referências para fazer o seu trabalho?
Fernando Silva Pinto, Uberlândia, (MG)
Como eu não sou um cara do humor, minhas referências são de pessoas que sabem entrevistar. Um cara que eu adoro e não é de humor, chama-se Louis Theroux, um britânico que trabalha na BBC, cujo programa passa na GNT. Ele é um cara que sabe usar a ironia, um humor fino, sabe fazer uma pergunta mais agressiva de uma maneira pueril. Eu acho que isso me inspira mais do que humor. A minha inspiração vem de pessoas que sabem conduzir uma entrevista. Mas tem pessoas do humor que também são referências, como o Bruno Mazzeo. Ele é um observador da realidade muito bom e sabe ser um agressivo inteligente.

Fonte: Quem e CQC In Love

Marco Luque rebate as críticas de seu programa O Formigueiro

Com três semanas de exibição, O Formigueiro, da Band, apresentado por Marco Luque ainda divide opiniões, principalmente entre os críticos de tevê. Em um texto, publicado por um desses profissionais, o autor escrachou o programa e disse que a atração não faz nem uma criança rir.
Em conversa com O Fuxico, o humorista conta o que acha dos críticos de tevê.
“Adoro os críticos de teve, acho eles divertidíssimos. Cada um tem um jeito de se divertir, uns com pouco, outros explodindo um bolo e tem pessoas que se divertem desse jeito, um pouco mais ácido, o critico critica, e acho que ele se diverte em falar coisas meio sem fundamento.”
Sobre a crítica direta em relação ao seu programa, ele brinca e diz que o crítico estava na TPM.
“Eu não sei, achei engraçado ele falar que não tem nada de engraçado no programa, pode ser que ele queria fazer uma matéria mais falando sobre ele, do que falar do programa em si ou acho que ele poderia estar de mau humor, estar na TPM, ai o cara não ri com qualquer coisa, não se diverte”.

Fonte:  Site OFuxico - porém extraído do Blog *CQC* in *Love

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Roteiro - CQC 108

Desenho by: Lina Silva

mais uma segunda, mais um CQC. e como sabem, o Marcelo Tas posta o roteiro no seu blog e todos os blog's relacionados ao CQC, inclusive o nosso querido blog da Megaliga CQC, postam tb (p quem não entendeu ainda o pq do desenho da Lina, cliquem aqui e aqui as notas vindas do blog CQC Blog)

o programa de hj é de número 108

Roteiro By Blog do Tas

Band, 22h15
Para ir ao estúdio: registre-se no site oficial CQC

Entre outras:
CORINTHIANS E FLAMENGO
DEBATE PRESIDENCIAL NA BAND
QUEM QUER SER GOVERNADOR: BAHIA
SANTOS CAMPEÃO
PROTESTE JÁ: SEM CASA
DOCUMENTO CQC: CENSURA AO HUMOR
CQ TESTE: WANESSA CAMARGO
O POVO QUER SABER: SÉRGIO MALLANDRO
PLANET GIRL
TOP FIVE (ele não botou no roteiro do blog, mas botei pq CQC sem TOP FIVE, não é CQC, né?)

PS: Este roteiro é apenas um guia. Pode sofrer alterações, amputações e inversões até a hora e, principalmente, durante a transmissão do programa, que é ao vivo!

sábado, 7 de agosto de 2010

Aviso do 10º episódio


Uma coisinha diferente dessa vez: Teaser em forma de animação.
Com vozes de Kildare Sena, Lina Silva e Thaís Bonassa.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Danilo Gentili: Proíbem humor porque político não quer concorrência

"Se estão multando quem ridiculariza político, deveriam multar o cara que fez o jingle do Collor"

por Dayanne Sousa

A mudança na lei eleitoral que prevê multa para quem "ridicularizar" candidatos é, para o humorista Danilo Gentili, uma questão de mercado. "Eles não querem concorrência", acusa. Uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que vale para este pleito proíbe "produzir ou veicular programas" de TV e rádio que "degradem ou ridicularizem candidato, partido político ou coligação".

- É proibido o comediante ridicularizar os candidatos, mas liga no horário político e vê. Eu acho que eles tão falando que não querem concorrência.

Em entrevista a Terra Magazine, o integrante do CQC, da Band, conta que sempre se interessou por política. Apesar disso, ficou mais famoso no meio depois de embates diretos com deputados nos corredores de Brasília e por tratamentos nada receptivos em cidades do interior de São Paulo. Chegou a ser preso em Assis e em São Bernardo do Campo, quando também foi agredido por policiais.

- Eles querem bater para que eu não faça piada e eles querem censurar para que eu não faça piada. Mas eles podem fazer a merda que eles quiserem.

Para Gentili, porém, o humor na campanha está garantido. Senão pela mão dos comediantes, pela dos próprios candidatos. Ele elege o jingle da campanha do ex-presidente Fernando Collor para o governo do Alagoas como a maior piada das eleições até agora.

A música, que foi proibida pela Justiça Eleitoral, traz a frase "é Lula apoiando Collor, é Collor apoiando Dilma, pelos mais carentes".

- Se estão multando quem ridiculariza político, deveriam multar o cara que fez o jingle do Collor - dispara Gentili.

Leia a entrevista na íntegra.


Terra Magazine - O que você acha dessa restrição da lei eleitoral ao humor com os candidatos?
Danilo Gentili - Eu acho ridículo, não tem outra palavra. O humor é uma coisa, já falou o filósofo francês Bergson, o humor é 100% inteligência. Só a raça humana desfruta do humor. Nenhum animal desfruta do humor porque ele não tem o raciocínio. Então, a única raça na face da Terra que desfruta do humor é o ser humano. Então, quando eu vejo que o humor é uma dádiva do ser humano e a pessoa vem e quer tirar isso do ser humano, só me leva a crer que são pessoas que não tem inteligência, pessoas que não tem o mínimo de inteligência, o mínimo de raciocínio. Elas estão acostumadas a resolver problema com autoritarismo, com intimação, com medo. Agora, com inteligência e raciocínio, não é dessa forma que elas resolvem o problema. Prova disso é que estão privando o humano de desfrutar do humor.

Terra Magazine - Nesse seu raciocínio, então, é como se estivessem querendo transformar a gente em animal?
Danilo Gentili - Exato. É um instinto animal de medo, de autoritarismo. Menos de raciocínio e de inteligência. É só com isso que o humor pode ser apreciado e feito.

Terra Magazine - Com isso, você e o CQC correm o risco de tomarem uma multa. Você tem se preocupado com isso nas entrevistas que você faz?
Danilo Gentili - Tem duas coisas que o CQC sempre me fala desde o primeiro ano: "você não tem que se preocupar com multa, nem tem que se preocupar com audiência". Então, número é uma coisa que eu tenho carta branca pra não me preocupar no CQC. Quando eu estou na rua, eu não estou preocupado se vai ter multa, quantos zeros vai ter a multa. Eu vou e faço o melhor que eu posso. Depois eu levo o material para a edição e eles veem o que fazem com o material que eu trouxe.

Terra Magazine - Mas já aconteceu de alguma piada sua ter que ser cortada para evitar problema?
Danilo Gentili - Esse ano não, até agora não. A eleição está começando, né? Mas tudo o que eu quiser falar sobre eleição, eu vou falar. Sobre o político que eu quiser. Porque no CQC eu sou só uma parte de uma linha de produção, eu sou o nó da corda, tem a edição, tem a direção, tem o departamento comercial, tem a Band, então tem muita responsabilidade. Mas se eu não falar o que eu quiser no CQC, eu tenho o meu show, eu tenho um palco, eu tenho a internet. Eu posso escrever um texto no meu blog, eu tenho um twitter. Então, uma coisa eu garanto, o que eu tiver vontade de falar, de me manifestar, eu não vou deixar de fazer piada com nada que eu ache que seja legal fazer piada. Mas essa é uma postura minha, não é do CQC, é minha.

Terra Magazine - O seu twitter, inclusive, já foi fonte de algumas boas polêmicas, não? Te incomoda isso?
Danilo Gentili - Não. Eu tenho 800 mil seguidores. Eu faço uma piada e 790 mil pessoas que seguem pra ver a minha piada dão risada. As dez mil que seguem pra me encher o saco são as que causam polêmica. Eu nunca fiz polêmica no twitter, eu sempre fiz piada, mas sempre tem um chato que pega uma piada que eu faço e quer fazer polêmica com ela.

Terra Magazine - Você falou da mudança na lei ser um tipo de autoritarismo. O que é pior, ter uma lei que não te deixa fazer piada ou tomar porrada no seu trabalho como você já tomou algumas vezes?
Danilo Gentili - Eu acho que as duas coisas fazem parte do mesmo sistema. Eles querem bater para que eu não faça piada e eles querem censurar para que eu não faça piada. E eles podem fazer a merda que eles quiserem. Vou dar um exemplo: esse jornalista da Istoé que gravou o Collor xingando todo mundo. O Collor ligou para o jornalista e xingou um monte o cara. Pelo amor de Deus, isso, em qualquer lugar do mundo onde se faz comédia, é um prato cheio. Mas o que é? Eu não posso fazer piada disso só porque o Collor é candidato? Na verdade, em qualquer lugar onde o sistema de democracia é mais desenvolvido e não é esse sistema provinciano que é aqui, o candidato vira mais vitrine do que nunca. Aqui, ele não é vitrine, aqui ele fica blindado. Então, o Collor pode ligar para um jornalista e dizer o que quer, isso vaza e eu não posso dizer nada. Como candidato, ele pode chamar o cara de filho da puta e eu, como comediante, não posso ridicularizar essa atitude dele que, por natureza, é ridícula.

Terra Magazine - E o que você ficou com vontade de falar para o Collor, então?
Danilo Gentili - Eu não sei, eu posso sentar e pensar. Eu vou escrever um texto sobre isso. Se bobear, logo está na internet.

Terra Magazine - E você passou a se interessar por política fazendo o CQC ou você já costumava se envolver com isso antes?
Danilo Gentili - De certa forma, é lógico que agora o meu envolvimento é maior. Antes, a minha posição com a informação política era de receptor. Eu sempre me interessei, eu lia revista, lia jornal, mas a minha posição era de receptor. Agora, além de receptor, é de passar. Eu tenho que passar informação, então a minha responsabilidade muda. Aí eu tenho que me informar mais ainda, tenho que saber mais ainda do que eu estou falando, pensar dez vezes antes de falar.

Terra Magazine - E você gosta disso?
Danilo Gentili - Gosto. Eu gosto, eu acho que é uma ótima matéria para fazer piada. É uma das melhores.

Terra Magazine - A mudança na lei impede ridicularizar os candidatos, mas tem candidato que se ridiculariza, não é?
Danilo Gentili - Exato. É proibido o comediante ridicularizar os candidatos, mas liga no horário político e vê. Eu acho que eles tão falando que não querem concorrência. "Não, não, ninguém vai fazer isso, a gente se esforça muito para fazer isso, vocês não podem." Eles só querem eliminar concorrência, querem o monopólio do mercado.

Terra Magazine - Qual é a maior piada dessa campanha até agora?
Danilo Gentili - Tem algumas. Falam que têm direita e esquerda no Brasil, mas pra mim não tem nada, é só legenda que abriga cara que quer ficar rico e famoso. Para mim, uma das maiores piadas da eleição é o PT estar aliado ao Sarney, ao Collor. É o jingle do Collor! Essa é a maior piada que tem. Aquilo eu ouvi e dei risada. Aí, você vai no meio de petista, você pergunta o que está acontecendo e eles te batem. O maior problema é que você fala o que está acontecendo e eles não querem que ninguém fale o que está acontecendo. O jingle do Collor com Dilma e Lula pra mim é uma das maiores piadas de todas. Imagina você voltar no tempo 15 anos atrás e colocar esse jingle tocando. Todo mundo ia rir muito, iam falar que era coisa de comediante. Se estão multando gente que está ridicularizando político, tinham que multar o cara que fez o jingle do Collor.

Fonte: Terra e CQC Blog