domingo, 31 de maio de 2015

STF arquiva inquérito contra Bolsonaro por suposta conduta racista

Só opiniões "desvinculadas da atividade parlamentar" de deputados estão sujeitas ao controle penal. A tese foi aplicada pelo ministro Luís Roberto Barroso para arquivar inquérito aberto contra o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) por declarações consideradas racistas pelo Ministério Público Federal.
Em entrevista ao programa CQC, da Band, Bolsonaro foi perguntado pela cantora Preta Gil o que ele faria se o filho namorasse uma negra. E respondeu: “Ô, Preta. Não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco porque meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambiente como lamentavelmente é o teu”.
Entretanto, de acordo com Barroso, a Constituição Federal de 1988 estabelece, no artigo 53, que os deputados e senadores "são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos”.
A Procuradoria-Geral da República pediu a abertura de inquérito, solicitando ao programa uma cópia integral da entrevista. A Bandeirantes informou que não tinha o material porque a fita em que estaria a gravação sem edição havia sido reutilizada.
O ministro também considerou a argumentação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também autor do pedido de arquivamento, ao afirmar que “a ausência da gravação integral, sem edições, não confere juízo de certeza se a resposta se refere à pergunta formulada”.
Em relação à imunidade parlamentar, Barroso considerou o fato de o programa CQC ter anunciado o quadro em que Bolsonaro participaria como a entrevista com “o deputado federal mais polêmico do Brasil”. Isso demonstra, segundo Barroso, que o deputado foi entrevistado por conta de seu cargo.
Relembre do ocorrido (em 2011), neste vídeo: 
CQC DÁ DIREITO DE RESPOSTA AO DEP. JAIR BOLSONARO:

Nenhum comentário: