sexta-feira, 30 de outubro de 2015

NOTA: Ex-"CQC" Ronald Rios fecha contrato com a TV Gazeta

O jornalista Ronald Rios, ex-"CQC", é o mais novo integrante do time de apresentadores da TV Gazeta. Seu primeiro projeto na emissora será uma série especial sobre o rap nacional e tem estreia prevista para janeiro. Em seis episódios, o especial pretende abordar a história do gênero musical com depoimentos da velha e nova geração.
Com uma faixa reservada aos jovens, Ronald é aposta da emissora para o horário dedicado a este público, o das 23h30.
 
Em seu período no "CQC", o repórter teve como destaque uma passagem pela Faixa de Gaza e acompanhou de perto os efeitos da guerra, no local disputado por israelenses e palestinos.

“O jornalismo alimenta o preconceito diariamente”, diz repórter do ‘CQC’

Durante evento promovido pelo Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU) na noite de segunda-feira, 26, o repórter do ‘CQC’, Juliano Dip, abordou a necessidade de utilizar a comunicação para lutar contra discriminação de qualquer natureza. “O jornalismo alimenta o preconceito diariamente”, afirmou o jornalista ao discorrer sobre destaques em matérias que salientam características dos personagens de forma pejorativa.
Como exemplo, o profissional falou sobre o caso da recente festa realizada dentro de uma delegacia. A maioria das manchetes a respeito do assunto destacava o fato de que um dos participantes era anão, deixando de lado o absurdo que é haver esse tipo de comemoração em um distrito policial.
No ‘CQC’, Dip participa de dois quadros: ‘Proteste Já’ e o ‘Haters’. Segundo ele, o primeiro ganhou abordagem mais jornalística em 2015, ano de sua chegada à atração exibida semanalmente pela Band, e o outro trabalha pautas que combatem diretamente o preconceito.
CarreiraJornalista formado pela Universidade do Sagrado Coração de Bauru, no interior de São Paulo, Dip tem passagens por diversos veículos e diferentes mídias. Ele começou em uma rádio local, como estagiário. Em seguida, foi ao Vaticano, trabalhar na rádio oficial da Igreja Católica. De volta ao Brasil, o profissional ingressou no programa ‘Aqui e Agora’, do SBT.
Após passagem pela emissora de Silvio Santos, Dip começou a trabalhar na CBN, fazendo o jornalismo da madrugada, cobrindo crimes e acontecimentos da cidade. “Fazer jornalismo policial é contagiante. Essa área me ajudou a fazer nome na rádio”.
Dip contou que as coberturas policiais lhe renderam muitos aprendizados. “Enquanto jornalista, tenho que dar a notícia como ela é. Compreendi a importância de colher todas as informações oficiais e buscar todas as fontes. Jornalismo é agilidade”.
Além das coberturas no rádio e na televisão, Dip lecionou nos cursos de comunicação da FMU e da pós-graduação do Senac. O trabalho nas salas de aula foi interrompido quando o jornalista foi convidado para compor a equipe do ‘Custe o Que Custar’.

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

CQC quer entregar "VLT" a ex-governador

O VLT de Cuiabá será retratado com humor em rede nacional. Uma equipe do programa CQC, da Rede Bandeirantes, esteve na capital nesta semana para gravar o quadro “Proteste Já”. 

Uma das paradas foi no Centro de Custódia de Cuiabá, onde o repórter Juliano Dip tentou entregar um “trenzinho” simbolizando o VLT ao ex-governador Silval Barbosa (PMDB). “A gente tentou contato com o consórcio VLT, mas eles não querem dar entrevista. A alternativa é falar com o ex-governador Silval Barbosa, que assinou o contrato com o consórcio. Só que entrevistar ele será um pouco difícil, porque ele se encontra preso no Centro de Custódia de Cuiabá acusado de fraudes fiscais”, disse o repórter do humorístico.

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Dan Stulbach está escalado para programa sobre história do Brasil, diz colunista

Dan Stulbach tem um currículo e tanto. O ator e apresentador do CQC já trabalhou em diversas produções e comentou recentemente que acha uma loucura as pessoas ainda lembraram da cena da raquete - como esquecer? Agora ele está escalado para uma nova produção, segundo a coluna de Patricia Kogut.
A emissora Band terá uma série de seis episódios sobre a história do Brasil. Tudo indica que será Dan quem comandará e, além disso, vai participar também como ator, interpretando mais de um personagem.
*
*
*
*
PS: Esse programa eu me lembro de ter lido algo, no ano passado, onde MARCELO TAS dizia q ele quem gravaria esses episódios. E parece q ele já estava gravando...
Mas enfim, devem ter começado tudo de novo, uma vez q TAS saiu da Band.

Marco Luque diz que sente falta de Rafinha Bastos no CQC

Na manhã desta terça-feira (6), Marco Luque foi o convidado do Pânico, da Jovem Pan, e entre outros assuntos comentou sobre o CQC. O apresentador reconheceu que o programa não é mais aquele sucesso de oito anos atrás e acredita que, apesar de Dan Stulbach estar fazendo um grande trabalho, o Marcelo Tas era a cara do programa. "Quando você vê a galera saindo, realmente vai enfraquecendo", disse Luque.
Marco Luque ainda admitiu que outro integrante do antigo CQC faz muita falta: Rafinha Bastos. "Eu comemorei quando ele saiu, mas, ele faz falta, eu sei da qualidade da acidez dele como comediante. Ele sabe bater!".
Mas apesar disso, Luque disse estar tranquilo no programa e que não almeja estar na Globo como alguns de seus antigos colegas de programa. "Acho que toda mudança é válida. Eles estavam inquietos e foram atrás do que queriam. Eu estou tranquilo".
Sobre a permanência no programa, o único que permaneceu desde o começo, já que Rafael Cortez foi para a Record e depois voltou, Luque brincou que não sabe porque continua no CQC. "Acho que não queriam mudar a bancada totalmente, por isso".
Várias vezes criticado por não deixar muito a bancada do programa e fazer matérias externas, Luque comentou no Pânico sobre o que acha da vida dos repórteres. "É curta... É muita exploração, o cara não tem muita vida social. O cara sai de uma matéria vai pra outra. Eles tem que estar sempre prontos. É um stress".
Questionado sobre censura no CQC, o apresentador admitiu que esse ano o programa tem pegado mais leve com alguns temas. "Tem alguns assuntos mais delicados e pela atual situação do Brasil estamos tendo que dar uma maneirada".
Saindo um pouco do assunto CQC, Marco Luque disse que o término do auge da fama não o incomoda, mas sim, a falta de público no teatro. "Hoje é muito tranquilo, posso fazer o que eu quiser. Diferente dos jogadores de futebol, youtubers. Comigo é uma abordagem saudável, a galera elogia meu trabalho, tira uma selfie. Eu sinto mesmo saudade de lotar teatros com meus espetáculos, encher o c* de dinheiro, lotar várias sessões. Hoje faço geralmente 1, ou 2, cheias por fim de semana. Isso deu uma abaixadinha".
Além do CQC, Marco Luque está com seu canal do Youtube, que está melhor do que nunca. "Estava como uma mudinha murcha e aí eu joguei uns adubos, estou postando mais e agora está muito legal, estamos tendo um retorno muito fera!"
Você acha que a vida de Marco Luque para por aí? Nada disso! Ele também está nos palcos do Comedians Club com o espetáculo 1,2,3 Testando. "Resolvi criar vergonha na cara e sair da zona de conforto. Criei esse projeto para experimentar textos novos, coisas novas, para um show do ano que vem", finalizou.